sexta-feira, 10 de maio de 2013

A cura psicanalítica









A cura psicanalítica não se reduz a uma técnica estandardizada de formas, de meios, de recursos, de procedimentos etc. 

As situações apresentadas ao analista são diversificadas por vários fatores, seja pela forma como o distúrbio ou o conflito se apresenta, as diferenças das técnicas utilizadas, o preparo do analista, o estado do paciente, o “rapport” que se estabelece entre analista e paciente, as circunstâncias externas, bem como as vantagens e desvantagens da cura. É todo este conjunto que vai estabelecer a dinâmica do tratamento.

       Há casos em que não há vantagem nenhuma em se produzir a cura. Há neuroses que são verdadeiras muletas para o neurótico, melhor é,não curá-lo, porque se ele se curar, ele morre.

       O paciente pode avançar para a saúde, para a harmonização do conflito só para agradar o analista, mas é quando o Eu chega onde prevalecia o Id que a cura passa a ser efetiva.

       Que sinais vão aparecer quando começa haver transformação?
1.Libertação da angústia;
2.Desaparecimento de inibições desconfortáveis;
3.Ajuste com o contexto real;
4.Capacidade de conduzir a própria vida com independência;
5.Relações interpessoais saudáveis e harmoniosas;
6.Abandono de atitudes conformistas e destrutivas;
7.Despertamento da criatividade, da alegria, dos desejos para a retomada e o controle da própria vida.














Fecundação Os primeiros registro da matriz de todos os sentimentos de rejeição ou amor é vivido pelo ser humano, tem sua primeira experiência na FECUNDAÇÃO Por isso é necessário que a gestação seja regada de sentimentos de amor e acolhimento. Esse registro será determinante para que a pessoa apresente em sua vida características e comportamentos para toda sua vida.
Postar um comentário